Mulheres em Marcha até que Todas sejamos Livres!

 

mmm2010

A Marcha Mundial das Mulheres é uma rede feminista internacional nascida em 1998, presente hoje em mais de 160 países dos cinco continentes, envolvendo milhares de grupos e organizações. Somos um vasto movimento de mulheres com diversas origens, experiências e culturas políticas, mas com o objectivo comum de superar a injusta (des)ordem internacional que provoca pobreza e violência e construir um outro mundo baseado nos valores da Igualdade, Liberdade, Solidariedade, Justiça e Paz.
Em 2010 a Marcha organiza a sua Terceira Acção Internacional, em torno de quatro grandes campos: Paz e Desmilitarização, Bem comum e Serviços Públicos, Autonomia Económica das Mulheres e Violência de Género.
Em Portugal, o principal ponto de partida das acções terá lugar a 8 de Março, com uma concentração no Rossio, em Lisboa, a partir das 17h, animada pelos ritmos dos Sounds of Resistance, das batucadeiras Finka Pé, das jovens do Hip-Hop do Baton, do Bloco de Maracatú da Casa do Brasil e de diversas vozes que entoarão o Capiré, tema musical da Marcha cantado em vinte e seis línguas em simultâneo, composição que, desde há uma década, tem-se erigido em hino internacional pelos direitos humanos das mulheres.
Seguir-se-ão, durante todo o mês de Março, actividades diversas e acções reivindicativas por todo o país. Assembleias Comunitárias, acções em escolas, ciclos de cinema, debates, actuações musicais, oficinas participativas e criativas… são algumas das iniciativas agendadas em que estarão presentes temas como “As mulheres e a República”, os casamentos forçados e a mutilação genital feminina, a relação entre as mulheres e as religiões ou a exploração laboral das imigrantes. (Ver programação em anexo). Dezenas de entidades participam em Portugal nas acções da Marcha Mundial das Mulheres, como associações de desenvolvimento rural, organizações feministas, associações de imigrantes, cooperativas, sindicatos ou centros sociais e comunitários.
A Terceira Acção Internacional de 2010 desenvolve-se em torno de vários momentos principais:

-De 8 a 18 de Março: marchas e mobilizações nacionais simultâneas de diferentes tipos, formas e cores, lembrando também o centenário da declaração do Dia Internacional da Mulher.
-24 de Maio: mobilizações em vários países da Europa contra a produção e comércio de armas e contra as bases militares, por ocasião do Dia internacional da Mulher contra a Guerra.
-17 de Junho: mobilizações com motivo do Dia Internacional de Luta contra a Homofobia.
-A 30 de Junho: em Istambul, na véspera da abertura do Fórum Social Europeu, faremos uma concentração feminista europeia.
-De 7 a 17 de Outubro: marchas e acções simultâneas nos diferentes países, encerrando no Dia pela Erradicação da Pobreza com uma mobilização internacional no Sud-Kivu (Congo), fortalecendo a visibilidade do papel das mulheres na resolução pacífica dos conflitos.

Em 2010, nós mulheres vamos marchar, mais uma vez, contra a guerra e os conflitos armados, contra a violência nas nossas casas e nos nossos empregos, contra a divisão sexual do trabalho, pela igualdade salarial e de direitos, contra a privatização da natureza e dos serviços públicos, pela soberania alimentar e energética, contra a mercantilização das nossas vidas, sexualidades e corpos… Vamos denunciar o sistema capitalista, patriarcal, racista e homofóbico, gerador de múltiplas desigualdades e discriminações, que concentra a riqueza nas mãos de uma minoria e condena à pobreza a imensa maioria da população mundial. Vamos lutar por um outro mundo que reclamamos possível e urgente: um mundo igualitário, livre, solidário, justo e em paz.

CONTACTOS:

Almerinda Bento: 966 331 059
Judite Fernades: 919 625 762
Sandra Silvestre: 914 687 771

COORDENAÇÃO PORTUGUESA

ADRL – Associação para o Desenvolvimento Rural de Lafões
AJPAZ – Acção para a Justiça e Paz
GRAAL
NÃO TE PRIVES – Grupo de Defesa dos Direitos Sexuais
Solidariedade Imigrante – Associação para a Defesa dos Direitos dos/as Imigrantes
UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta
UMAR-Açores

ORGANIZAÇÕES ADERENTES

ACRSS – Associação de Samuel; AIPA – Associação de Imigrantes dos Açores; ALCC – Associação Lusofonia, Cultura e Cidadania; Arrisca – Associação Regional de Reabilitação e Integração Sócio-Cultural dos Açores; ARTE-VIA – Cooperativa Artística e Editorial; Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental; Associação Novo Dia – Apoio à Mulher e Jovens em Risco ; Associação Existências; Associação das Mulheres Guineenses; Associação ILGA – Portugal; BASEB FUT – Base Frente Unitária de Trabalhadores/as; Casa do Brasil de Lisboa; CCAI – Centro Comunitário de Apoio ao/à Imigrante; Centro Social Bem Querer de Brenha; CIPA – Centro de Informação, Promoção e Acompanhamento de Políticas de Igualdade; CFTL – Centro de Formação e Centros Livres; CIVILIS; Clube Literário do Porto; CooLabora; Descalças – Cooperativa Cultural; Diálogo e Acção; ADFP – Associação para o Desenvolvimento e Formação Profissional; Maternar – Rede de Apoio à Maternidade; Mó de Vida – Cooperativa de Comércio Justo; Moinho da Juventude; República das Marias do Loureiro; SEIES; SERES; Sindicato dos/as Trabalhadores/as dos Téxteis, Lanifícios, e Vestuário do Centro; SOS Racismo; SPGL – Sindicato dos/as Professores/as da Grande Lisboa
E diversas pessoas a título individual