História - 3ª Fase 1985/1990

Ital

A afirmação institucional - a acção comum no Conselho Consultivo da CIDM e na Coordenadora Nacional de Mulheres


Apesar da UMAR pertencer ao Conselho Consultivo da CIDM desde 1977, é nesta fase que mais se empenha num trabalho de acção comum com as ONGs de direitos das mulheres, não só na CIDM como na Coordenadora Nacional de Mulheres , estrutura formada em 1987 com ligação à Coordenadora Europeia de Mulheres que veio a perder papel com a formação do Lobby Europeu de Mulheres, em Setembro de 1990.
A UMAR participa, neste período, nas iniciativas comuns das ONGs, nomeadamente nos seguintes seminários:
  • Avaliação dos resultados da década da mulher.
  • Violência contra as mulheres, iniciativa da Coordenadora Europeia de Mulheres em Lisboa.
  • As mulheres e o emprego em Portugal.
  • O direito comunitário e a igualdade entre mulheres e homens.
  • Mulheres e pobreza, promovido pela Coordenadora Nacional de Mulheres.
  • Assédio Sexual nos locais de trabalho;
A UMAR subscreve, em Abril de 1987, com outras associações de mulheres, o Manifesto Eleitoral: O voto das mulheres deve dar lugar à voz das mulheres. Funda, com outras associações, a Coordenadora Nacional de Mulheres. Protesta também, com outras ONGs, contra a extinção da Comissão Parlamentar da Condição Feminina. Colabora na elaboração do projecto de lei sobre as Associações de Mulheres debatido na Assembleia da República a 8 de Março de 1988.

Como iniciativas próprias destacam-se:
  • solidariedade com as trabalhadoras da Standard;
  • denúncia da posição dos bispos contra o planeamento familiar;
  • folheto de apoio à candidatura de Maria de Lourdes Pintasilgo à Presidência da República;
  • posição pública da UMAR contra o projecto de lei de revisão constitucional do CDS, que colocava o aborto como crime, na Constituição;
  • denúncia do controlo das idas à casa de banho das operárias da Confélis;
  • inquérito a 2000 mulheres da cidade de Lisboa sobre: "Emprego de mulheres e infraestruturas de apoio as crianças";
  • realização dos seguintes debates: "A Mulher e a Saúde"; "Droga, que atitude?"; "Mulher, mãe, cidadã e infraestruturas de apoio às crianças".