COMUNICADO DA UMAR

8 de Março - Dia Internacional das Mulheres

Alcançando Direitos, Construindo Resistências


logotipo umar transHá 160 anos as mulheres lutaram por menos horas de trabalho e por salários dignos.

Apesar dos avanços no estatuto das mulheres, hoje continuamos a exigir que terminem as discriminações no trabalho.

Em diversos países, há meio século, as feministas levantaram o slogan: "O pessoal é político" e exigiram a condenação da violência contra as mulheres nas relações de intimidade e a despenalização do aborto.

Em Portugal, o 25 de abril de 1974 trouxe direitos inegáveis, mas a violência sobre as mulheres, os direitos sexuais e reprodutivos e as sexualidades na sua diversidade de orientações e identidades tardaram a entrar na agenda política.

Por isso, só este ano, podemos comemorar os 10 anos da vitória no referendo sobre o aborto que permitiu a interrupção de uma gravidez não desejada, por opção da mulher, através do Serviço Nacional de Saúde.

Apesar dos avanços nas medidas de apoio às mulheres vítimas de violência continuamos a olhar para a gravidade deste flagelo, quando nos deparamos com 454 mulheres assassinadas por maridos, companheiros, ex-companheiros ou namorados, nos últimos treze anos (dados da UMAR, do Observatório das Mulheres Assassinadas).

Estudos recentes sobre a violência no namoro (UMAR, 2016/2017), mostram que esta realidade tem de ser enfrentada com medidas urgentes na área da Educação onde a Igualdade de Género e a Cidadania possam fazer parte dos currículos escolares.

Continuam a pesar as múltiplas discriminações que afectam as mulheres imigrantes, a população LGBTI+, as mulheres afrodescendentes, as negras, ciganas, as pessoas que vivem de serviços sexuais sem quaisquer direitos.

Como costumamos dizer: "As nossas lutas são todos os dias" contra o sexismo, o conservadorismo, contra uma sociedade patriarcal que alimenta o machismo, a misoginia, a LGBTQIobia, o racismo e outras formas de discriminação.

A situação actual no mundo, com as políticas racistas, homofóbicas, anti-feministas e bélicas de Donald Trump, que engrossam o caudal das forças conservadoras e fascizantes, constitui uma grave ameaça à qual é preciso resistir e responder.

Bem sabemos como todos os direitos alcançados são passíveis de recuos. Precisamos de denunciar, de criar elos onde a interseccionalidade das lutas permitam não só resistir, como possibilitar novos avanços nos nossos direitos.

ACTIVIDADES RELACIONADAS COM O 8 DE MARÇO 2017

Em colaboração com a CIG e outras organizações, a UMAR participa no dia 8 de Março no evento Feminist Talks na Reitoria da Universidade de Lisboa promovendo os seguintes debates:

12h00: "Feminismos e Intergeracionalidades" com Marijke de Koning (GRAAL), Joana Sales (UMAR) e Andreia Nunes (APF) com moderação de Eduarda Ferreira.

15h30: "2017- Ano de encruzilhada dos feminismos a nível mundial" com: Anália Torres, Irene Pimentel e Miguel Vale de Almeida com moderação de Maria José Magalhães.

No encerramento deste dia, participa a feminista norte-americana Sarah MacCarthy Welsh da Women's Political Caucus de Massachusetts.

A UMAR e outras organizações participam em Lisboa no dia 8 de Março pelas 19h no One Billion Rising, evento promovido pela Changing Wave na Estação Ferroviária do Rossio.

Em colaboração com a Rede 8 de Março, a UMAR participará no Sábado, 11 de Março na Manifestação "Constroem Muros, Aprendemos a Voar" às 15h, a partir do Largo Camões.

Como actividades dos núcleos da UMAR destacamos:

PORTO: no dia 7 de Março Performance da artista brasileira Beth Moysés "Águas Transitórias" sobre a violência contra as mulheres, pelas 15h no Porto, nos Claustros da Biblioteca Municipal.

VISEU: Ciclo de Cinema a 3 e 4 de Março.

COIMBRA organização da Marcha Paralisação Internacional de Mulheres actividade inserida na Assembleia Feminista de Mulheres.

MADEIRA/FUNCHAL, Árvore da Igualdade no dia 9 de Março.

Lisboa, 3 de Março de 2017
A Direção da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta

Contactos: Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar | www.umarfeminismos.org | Facebook: UMARfeminismos
Telefone: 218873005 | Telemóvel: 933500081 | Telemóvel: 964008315